A preguiça…

Todo mundo diz que eu faço um milhão de coisas e que eu devo viver em um mundo paralelo de 48 horas porque não é possível.

É possível sim, caro amigo. É só pensar que além das um milhão de coisas que faço, existem também aquelas um milhão que eu gostaria de fazer. Que eu vou deixando para lá. Que eu vou esquecendo. Evitando o que é importante. Encaixando novas coisas no dia a dia até não caber mais nada.

Também basta pensar na quantidade de coisas que começo e não termino. Porque não dá tempo. Porque tem muita coisa. Porque é muito trabalho. Porque eu me canso.

Tem horas em que eu penso que sou só um ser humano e que eu preciso descansar. Aí quando me pego descansando, me sinto culpada pelas milhares de coisas que poderia estar fazendo enquanto descanso e não estou.

Esse texto é uma dessas coisas. Ele está aqui, escrito na minha cabeça já tem uns bons anos e eu nunca tinha tido o desprendimento de compartilhar ele lá no meu blog pessoal ou em qualquer outro lugar. Talvez a minha psicóloga já tenha escutado uma ou duas dessas lamúrias, mas não todas elas. Enfim, eu me pergunto toda vez que eu me pego descansando ou fazendo algo que eu não acho tão importante quanto os projetos nos quais me coloquei na vida e que são sim muito importantes: Cadê aquela garota que acordava às 4h30 da manhã e ia dormir às 0h30 todo dia? Aquela que estudava pra prova depois de um longo dia ajudando a galera da igreja? Aquela que fazia mil coisas na época do vestibular e da faculdade e ainda tinha tempo pra tocar violão? Porque eu me perdi dela? Porque eu a abandonei? Ou será que foi ela que me abandonou?

Talvez, em algum momento da vida, eu tenha perdido algum sentido, alguma vontade que era maior. Algum motivo pra lutar.

Preciso me recuperar.

2015

 

Esse ano vai ficar na memória do brasileiro por muito tempo.
Foi em 2015 que percebemos que aquele 7×1 de junho do ano da nossa copa seria inesquecível, não só pela surra futebolística, mas pelas tantas outras que levaríamos, diariamente.
Teve o 7×1 do nosso Congresso, em frangalhos e cada vez se destroçando mais. O 7×1 da falta de aceitação das diferenças que crucificou uma trans na parada gay e milhares delas em todas as ruas, bairros e cidades do Brasil. O 7×1 da morte tão precoce do gênio mineiro Fernando Brant. O 7×1 do impeachment aprovado por um dos maiores criminosos do país e compartilhado por aqueles que não necessariamente o apoiam, mas não deixam de oferecer sua gratidão a ele só por uma defesa de seus interesses. O 7×1 daqueles que lerão o parágrafo anterior e me chamarão de petralha, já que obviamente não é possível atacar Cunha sem ser defensor de Dilma e vice-versa (afinal, é tudo 8 ou 80). O 7×1 dos adolescentes comemorando um salário que foram mortos pela polícia no Rio, já que só podiam ser criminosos. O 7×1 do dólar a R$ 4. O 7×1 das nossas belezas naturais e culturais se esvaindo em lama e em chama, sem um respiro de salva-guarda, sem aviso, sem piedade.
2016: seja mais justo conosco.

Sua Voz

 

A sua voz na minha cabeça
Diz o que eu fiz certo e o que eu fiz errado
Dança, canta, grita e esperneia
Faz um escândalo. Prova seu ponto
É a sua voz na minha lista
Das que esqueceria brevemente
Se suas palavras não pesassem docemente
Cada um dos meus argumentos falhos e vazios
É a sua voz que me acorda no frio
De um pesadelo que não tem mais fim
A voz que puxa, que traz para dentro de mim
Uma série de memórias não vividas
A mesma voz que cantava a rebeldia
De uma canção não comercial
A mesma boca consumia docemente
A mesma sede que o meu corpo chamaria
A mesma voz que eletrônica proclama
Que a minha vida eu devo passar a beber
Só porque um dia eu possa, por um momento, esquecer
Que é de você que eu sinto falta
Não do seu corpo, do seu jeito, da sua calma
Mas daquela primeira dança
Momento em que só em corpos nos encontramos
Lembrança para qual quis voltar
Momento em que ela não havia possibilidade
Nem música
Nem voz
Nem vontade
Nem viagem
Nem descompromisso
A gente podia ter ficado só nisso
Uma inocente dança e sem pauta
Assim, sabe-se que preparada, eu não sentiria sua falta

Crises

o grito

É crise dos 27, crise dos 30, crise dos 3 anos de namoro, crise da solteirice, crise do quando é que eu vou ter um filho, crise do meu gato faz xixi na caminha… Pra quê tanta crise?

Nas últimas semanas tenho me deparado com alguns artigos em sites e blogs explicando momentos da “Crise dos 25”, da “Crise dos 30”, da “Crise da Chapinha que não alisa”. Porque é que temos essa mania de tentar classificar o inclassificável? De tentar agrupar todo mundo em uma determinada classe de gente, que “sofre igual” porque tem a mesma idade, o mesmo tipo de dentição, namora há tantos anos, tá solteiro há tantos anos, é gay desde a virada dos anos 2000 ou compra alface na mesma feira, todo domingo?

Nem irmãos gêmeos são 100% iguais. Porque é que pessoas, classificadas em grupos, seriam? Passar pelos 30 anos, por um casamento, pela adoção de um cachorro, pela primeira tatuagem, funciona de um jeito diferente para cada pessoa e, porque algumas delas passam por momentos de indecisão, não é motivo pra criar uma “crise”.

A impressão que fica é que a gente está muito preocupado em “se classificar” para se sentir parte de algo. Porque o nosso sofrimento por não estar na profissão dos sonhos, ou não ter o carrão que o papai tinha nessa idade, ou não ter um casal de gêmeos, ou não conseguir cuidar de uma planta é muito mais compreensível quando a gente “não está sozinho nessa”. Será que a gente já parou para se perguntar se é realmente tão ruim estar “sozinho nessa”?

Há dias ruins e há dias bons. Se a gente parasse de dar nome às crises e entendesse que há dias em que nada dá certo, mas que não tem problema, tá tudo bem, talvez a vida não tivesse tantas cargas a mais pra gente carregar.

Tem que tentar ser mais leve. Até porque essa vida aí, com crise ou sem crise, é uma só.

Gato, gato, gato!

  Um belo dia, depois de 27 anos de uma longa e feliz vida, me deparo com uma constatação importante: nunca tiver um bicho de estimação só meu. Tive sim, cachorros de posse e responsabilidades compartilhadas, lá dos primórdios da infância, coisas de pouco tempo e pouco costume. Resolvi que adotar um gato seria bom. E o Lupin chegou.

Sempre defendi os direitos dos animais e o bem tratar deles, do meu jeito distante, mas hoje, do alto de minhas duas semanas de posse desse animalzinho, entendo mais. Ele é um ser que depende única e exclusivamente de mim pra viver, não recebe toda a atenção que eu gostaria de dar e ainda assim está sempre feliz ao me ver. E é maravilhoso ter essa pequena grande companhia. 

Conheça o Pomplamoose a razão pela qual viver de música não é mais a mesma coisa

Pomplamoose

Você talvez nunca tenha visto a cara desses dois e nem faça ideia de quem são Jack Conte Nataly Dawn. Acontece que esses caras aí da foto têm mais de 140 mil fãs no Facebook, produzem vídeos com covers e músicas próprias para seu canal no YouTube há mais de 5 anos e finalizaram, em Dezembro do ano passado, uma turnê que passou por 23 cidades dos Estados Unidos e arrastou milhares de fãs com eles. Tudo isso sendo uma banda independente de indie-rock, com algumas canções próprias, algum dinheiro economizado e a cara e a coragem.

O exemplo do Pomplamoose foi compartilhado pelo Jack em um blog, junto com as despesas e receitas de seus 28 dias junto com Nataly na turnê. Entre despesas de transporte, hospedagem, alimentação, divulgação da turnê, contratação de músicos de apoio e todos os percalços pelos quais uma banda passa para divulgar seus shows, eles gastaram U$S 147.802 dólares. A venda dos ingressos e de material promocional (CDs, camisetas, bonés e pôsteres), rendeu U$S 135.983. A banda saiu no prejuízo. Mas não vai parar.

E é aqui que mora a mensagem. Jack Conte fez questão de publicar todos os gastos e rendas da turnê de sua banda para dizer que o Pomplamoose não realizou nada, não venceu nada, não fez nada de especial e diferente: eles são apenas parte de um movimento. Nas palavras do próprio Jack: 

Nós estamos entrando em uma nova era da história: o espaço entre “artistas que morrem de fome” e “ricos e famosos” está começando a ruir. O YouTube está associando milhares de parceiros, pessoas que concordam em colocar anúncios em seus vídeos pra fazer dinheiro com seu conteúdo. A “classe criativa” não é mais a classe emergente: está aqui, agora.

Pomplamoose não quer as capas de revistas nem os programas de auditório. A banda quer apenas levar sua música para seus fãs e viver de música. Para isso, eles sabem que têm que trabalhar duro (e trabalham) e estar perto de seus fãs, para que eles os recebam novamente quando eles voltarem. E esta primeira turnê é um grande exemplo sobre como viver de música pode ser possível, ainda que não seja fácil e ainda que o estrelato nunca chegue. A importância aqui está no fato de se fazer o que se gosta e conseguir viver disso. O Pomplamoose está pronto. A sua banda está?