Muito mais que meia dúzia de horas

No começo da semana passada, fui convidada para um churrasco. O combinado era ser uma comemoração as conquistas de 2009 da banda Meia Dúzia de 3 ou 4 e já começar na torcida para que 2010 fosse bem mais legal de bom. Uma das peculiaridades que já reluziam no convite era o detalhe de que você deveria avisar a banda se era ou não vegetariano, pois eles iriam organizar a churrascada para atender a todos os públicos de todos os gostos. E é claro que com uma meia dúzia de grandes músicos e uns 3 ou 4 convidados que se arriscavam na cantoria, o “regabofe” rendeu bem mais do que um simples churrasquinho.

Muita música para agradar a todos os gostos, todas as tribos e todos os hits, toda a simplicidade de uma família reunida, muito diferente das bandas que a gente vê por aí que se juntam e se separam e trocam de integrantes e acham que está tudo bem. A e música rolando solta, primeiro só com uma sanfona e uma revisão bonita dos clássicos do Luiz Gonzaga. Depois, um violão chegou para participar da festa, uma escaleta (um tipo de teclado de sopro) apareceu também no meio da bagunça e tudo virou uma festa total. Com a agitação da música, metade dos ‘cozinheiros de plantão’ se esqueceu do churrasco para se dedicar a tocar, como tem que ser numa família de músicos mesmo. E na falta de instrumentos, queridos, “Tudo se torna”: uma cadeira virou um reco-reco de primeira linha, uma capa de violão foi transformada num tambor tão potente que até um bongô que estava dando sopa foi deixado de lado; um pandeiro apareceu e renovou a musicalidade da galerinha; uma bandeja de garfos começou a fazer um som tão bonito quanto o de um triângulo…  para quê dizer mais, foi a festa!

E quem disse que era só gente grande que se divertia? As crianças já pareciam tão acostumadas à música que até um bebezinho tranquilo no carrinho parecia ficar mais e mais em paz a cada vez que a música aumentava de tom… as crianças maiores se admiravam da música produzida por qualquer coisa que estivesse na frente dos papais e mamães presentes e quando eu estava quase por ir embora, apareceu uma criancinha esperta que depois eu descobri se chamar Maia para tocar também. Pegou duas colheres e começou a batucar, acompanhando as músicas infantis que começavam a sair dos intrumentos mil por ali.

O churrasco de sábado a tarde foi muito mais que meia dúzia de horas com amigos. Foram uns 3 ou 4 mil motivos para acreditar na música brasileira que está morrendo de preguiça, mas que ainda está viva e que renasce sempre e mais. Muito obrigada família 1/2 Dúzia, pelo convite e pela maravilhosa família/banda que vocês são.

Para quem ainda não conhece, uma versão inteligente para o escândalo da Geisy pode ser um bom começo…

Se você quiser ler um outro relato desse mesmo dia, clique aqui e visite o blog do querido Gustavo Cardoso.

Anúncios

4 comentários em “Muito mais que meia dúzia de horas

  1. Sim, um dia belíssimo, Srta. Raquelline Curvelo! E tudo graças à sua influência e graciosidade, que lhe garante as mais interessantes amizades…

  2. Dona Rakky,

    “toda simplicidade de uma família”

    Isso é muito bonito! 1/2 Dúzia em 32 toques.

    Benvinda!

    beijos agradecidos por tornar possível essa memória por aqui. Foi gostoso por demais.

    thiago

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s