Só pra constar… nos registros por aí…

Sabe quando você tá ouvindo um álbum que você adora e, de repente, para pra prestar atenção em uma música como se fosse a primeira vez que você a ouviu na vida?

Isso me aconteceu agora a pouco. Com Tender, do Blur. É óbvio que essa não é nem de longe a primeira vez que a escuto, mas talvez a primeira vez que entendo as palavras de Damon Albarn de um jeito muito estranho.

Ele chama, ele quer, ele deseja que a “melhor coisa que nós temos” chegue e está ali, esperando por aquele sentimento.

Entendi.

Há horas em que não importa quantas histórias de amor você tenha vivido, você simplesmente quer mais uma para mudar completamente toda a rotina. Alguém pra cantar o som fofinho da Mallu do título desse post e lembrar. Pra fazer você deixar de gritar junto com o Albarn “I waiting for that feeeeelllinnnnnggg to comeeee!”

Por outro lado, por vezes é tão cansativo. Tão estranho. Tão constrangedor.

De um jeito que se chega a pensar em pular aquele friozinho na barriga que até hoje me faz arrepiar só pra ter aquela tão sonhada estabilidade. Que vem e estraga tudo. Ou deixa as coisas melhores.

E essa confusão do dia a dia é a beleza da vida voltando outra vez. Do jeito que a vida é: assustadora, bizarra e fofinha. Tudo de novo e de novo e de novo.

 

Anúncios

Os 20 anos da banda da minha vida

No último dia 5/6 um fato curioso que mudou bastante a minha vida completou 20 anos. Como assim Rakky, você só tem 23 anos menina! Pois é, mas foi assim: os quatro integrantes da recém formada banda mineira de ska “Skank” se apresentavam no Aeroanta, antigo e famoso bar da capital paulista, para um público pagante de singelas 36 pessoas. O grupo era formado pelo ex-tecladista do Sepultura, Henrique Portugal e os desconhecidos da cena musical paulista Samuel Rosa, Lelo Zanetti e Haroldo Ferreti.

Porque esse showzinho em que com certeza eu não estava mudou a minha vida? Acabo você, querido leitor que me conhece minimamente, consegue ouvir alguma música do Skank e não lembrar de mim? (se você é do Fã-Clube Skankarados essa pergunta não vale pra você, ok?). Acaso você consegue se lembrar de alguma situação muito bonita e especial em que eu não tenha lembrado de alguma música da banda? Acaso conhece alguém que goste mais deles do que eu? (De novo não vale, Skankarados!). Pois é, não né? Eu não vou contar aqui de novo porque eu acho eles incríveis, ou falar como me apaixonei pela banda, ou falar como é legal ver eles nos shows, ou falar da emoção de encontrá-los pessoalmente. Depois de anos como diretora e fundadora de um fã-clube dedicado aos meninos, essas emoções ficam em segundo plano. Hoje eu vou falar da importância desses meninos para a música nacional, por meio de algumas iniciativas suas que me enchem de orgulho. Vamos lá?

  • Web-Rádio: o Skank foi a primeira banda nacional a lançar uma web-rádio própria, na Internet, com programação 24 horas e sem tocar apenas suas músicas. Esse foi um marco para a carreira da banda já que, por meio da rádio, os fãs podem conhecer melhor as bandas que influenciam seus ídolos, ter acesso a conteúdos exclusivos de suas participações em festivais pelo Brasil e por todo o mundo e a gravar mensagens para os meninos, ouvidas em todo o Brasil pela turma que acompanha a rádio;
  • Banda 2.0: por usar com maestria as redes sociais para realizar promoções para os fãs e colher resultados incríveis por isso, a banda foi homenageada no Prêmio Multishow de 2009 com o troféu de “Banda Multimídia”;

  • Skank no Mineirão: quantas bandas brasileiras você conhece que seriam capazes de lotar de fãs de todo o Brasil um estádio com o tamanho do Mineirão? Eu conheço uma, é o Skank! O feito foi realizado em junho de 2010, num show ao vivo e de graça e numa estrutura com pouquíssimas falhas. O projeto deu origem a um CD / DVD e Blueray que reúne sucessos dos 19 anos de carreira da banda e três canções inéditas: “De Repente”, “Presença” e “Fotos na Estante”, essa última, gravada em estúdio depois da apresentação;

 

  • Participação especial – VOCÊS!: em abril desse ano o Skank lançou um dos projetos que considero o mais ousado até então: a SkankPlay, um portal de armazenamento de conteúdo para a gravação do clipe de “De Repente”, um dos singles lançados em 2010 na gravação do DVD “Skank no Mineirão”. A idéia é que cada fã faça seu vídeo tocando um dos instrumentos usados na música (violão, guitarra, bateria, baixo e teclado) ou cantando em uma das vozes da canção (primeira e segunda voz) para que sua gravação se junte a outras e forme um clipe diferente da música. Após enviar o vídeo e escolher com quem quer cantar / tocar a música, o fã envia seu vídeo diretamente do portal para o Youtube. Hoje, mais de 60 mil versões do clipe estão disponíveis no canal do projeto. E de novo, eles foram pioneiros no Brasil e no mundo!

 

  • Ouvindo os fãs: projetos como o Skank no Mineirão, reformas no site, promoções e sorteios e até testes das páginas do SkankPlay contam com a voz e a opinião de pessoas muito especiais para os quatro meninos de BH: nós, os fãs. Uma equipe ligada a produção da banda sempre envia e-mails para alguns fãs para receber suas opiniões sobre projetos e colhem as novas idéias para análise. O contato do site também responde rapidamente e está sempre lá para ajudar os fãs. Nos shows, produtores muito atenciosos cuidam da entrada de fãs no camarim quando há sorteio para tal e atendem com todo o respeito esses descabelados enlouquecidos que nós somos.

 

 

Acho que eu consigo citar mais uns 50 mil motivos, como a mudança no estilo musical e o sucesso da novidade, as atitudes discretas e corretas dos integrantes, o respeito ao público nos shows e entrevistas, a atenção dos parceiros da banda em todos os lugares e tantos outros, mas vou parar por aqui antes que fique chato. Só quero finalizar dizendo que o Skank me faz ver a vida de um jeito mais bonito porque sua música, simplicidade, carinho e presença me encantam cada vez mais. A emoção de ir a um show e, mesmo sem entrar no camarim, ter a certeza de que aqueles meninos ali do palco me conhecem, sabem quem eu sou, lembram de mim de sua última vinda a São Paulo ou simplesmente sabem da minha existência e me respeitam como fã já é mais que suficiente para explicar esse amor que só cresce a cada vez que eu penso sobre o assunto… e eu sempre penso!

Um ano!

365 dias antes de essas palavras serem escritas, você era um ilustre desconhecido,

Um palhaço a mais na fila,

Outro fã,

Um entre tantos outros que cantariam, pulariam e dançariam naquela noite tão quente quanto essa…

Uma sombra a mais na minha frente para me impedir de ver as cores do palco

Mais um… no meio de tantos outros.

Hoje, um ano depois, é um pouco diferente.

Hoje você é um pedaço de mim,

Um pouco de calma depois de um dia corrido

Os braços onde meu corpo descansa

Uma dose extra de confiança

O otimismo

Um sorriso besta depois da piada infantil

A mais absurda loucura que possa ser dita

A vontade de voltar a fita e fazer tudo acontecer de novo

A segurança

A cura da dor

Um rosto que não é mais desconhecido e com barba ou sem barba fica bonito

Uns braços que me protegem e me afagam

A mente mais insana e mais incrivelmente lúcida

As ideias e planos mais perfeitos e certos de acontecer

Hoje você é o meu sorriso, não do palhaço

Hoje você é um pouco do tudo que tenho

Minha sorte

minha música

a poesia

Meu alívio…

O colo pra deitar e pra ser mimada e manhosa

A cosquinha que você tanto odeia e que tanto me faz rir

O abraço pra dormir

Tudo o que o dia precisar

Meu consolo, a luz, a claridade dos pensamentos

A resposta para todas as perguntas

A minha família

A minha maneira mais bonita de ver tudo

Se em um ano você já consegue ser tanto de mim, o que não será daqui a mais dez?

 

Parabéns Gustavo Cardoso. Por mais impossível que possa parecer, te amo mais, a cada segundo um pouco mais…

Vento no Litoral

Hoje, no ônibus de volta para casa, me deparei com duas lembranças:a primeira, o lindo devaneio da querida amiga Maristela Lira, na sua forma de me dizer para ter força usando as melhores palavras; a outra, uma das músicas da banda favorita do Gustavo, Vento no Litoral, da Legião Urbana. Juntando as duas coisas, comecei a pensar na letra da música e dar a ela um significado nunca antes observado. Vejamos:

De tarde quero descansar
Chegar até a praia e ver
Se o vento ainda esta forte
E vai ser bom subir nas pedras

Sei que faço isso pra esquecer
Eu deixo a onda me acertar
E o vento vai levando
Tudo embora…

Agora está tão longe
ver a linha do horizonte me distrai
Dos nossos planos é que tenho mais saudade
Quando olhávamos juntas
Na mesma direção
Aonde está você agora
Além de aqui dentro de mim?

Agimos certo sem querer
Foi só o tempo que errou
Vai ser difícil sem você
Porque você está comigo
O tempo todo
E quando vejo o mar
Existe algo que diz
Que a vida continua
E se entregar é uma bobagem…

Já que você não está aqui
O que posso fazer
É cuidar de mim

Quero ser feliz ao menos,
Lembra que o plano
Era ficarmos bem…

Olha só o que eu achei
Cavalos-marinhos…

Sei que faço isso
Pra esquecer
Eu deixo a onda me acertar
E o vento vai levando
Tudo embora…

Eu tenho mesmo feito várias coisas para esquecer mas, eu tinha tantos planos pra nós duas…

Raro

Um alguém de singular beleza
de naturais gestos e de palavras de vigor
e que derrama surpresa
em cada prova concreta de sua existência e de seu valor

Alguém que demonstra em palavras
E no singelo movimento dos lábios
A beleza dos raros sábios
A sabedoria e a razão dos sentidos mais plenos

Um alguém que tem a vida manchada do seu próprio brilho
e que tem a liberdade de repetir palavras que sempre são ditas
e de dizer os mesmos versos em novas velhas palavras
inserindo nelas pinturas e versos em setim e em fitas

Um sol de meio-dia num verão tropical
De clareza e de sinceridade
De certeza e de fidelidade
De segurança e tranquilidade

Uma chuva de gotas mansas
De limpeza e de esperança
E que com a alegria de uma criança
Traz a certeza da bonança

Estranho e belo
Gentil e  prudente
Doce e inteligente
Simples e tranqüilo

Esse alguém é Raro!
É o que se pode chamar de amor
É a força, a segurança e o calor
E um pedaço gigante de vida
Que se desprende de meus braços
Em cada triste despedida
E que retorna nos sorrisos mais intensos
É esse amor o mais cálido e o mais violento
O mais suave e o mais singular
E o que eu levo para o resto dos meus dias

Essa é uma pequena homenagem a esse ser maravilhoso que tem dado mais valor à minha vida. Parabéns!

Lição de Casa

Acho que todas as coisas mais incríveis que alguém pode querer do amor estão escritas em músicas, daquelas que são mais profundas, daquelas que têm mais conteúdo. Porém, nos últimos dias, todas as vezes em que escuto a melodia desse som, leio a letra dessa música ou a escuto, penso que tudo o que ela descreve é exatamente tudo o que eu procuro.

Lição de Casa – Pullovers

Quero aprender a andar na luz do dia.
Quero aprender a gostar de calor
Enquanto esse verão ainda existe,
Antes do frio e do cobertor.

Quero aprender a perder o meu rumo,
Chupar o sumo do que eu for sentir,
Tragar o mundo como eu trago o fumo,
Perder o prumo e me deixar cair

E desse jeito aprender o que é vida,
O que é preguiça de se aborrecer,
Olhar o mundo como quem me ama
Que disse que me ama até morrer.

Quero aprender a dizer o teu nome
Como ninguém nunca ousou dizer,
A ser você, a matar minha fome
No teu sorriso que me faz morrer.

Quero aprender a não dizer mais nada
Dizendo tudo o que puder haver,
Falando pouco, em poucas palavras
Contar pro mundo que tudo é você

E desse jeito aprender o que é vida,
O que é preguiça de se aborrecer,
Olhar o mundo como quem me ama
Que disse que me ama até morrer.

Quero aprender a me esquecer da vida,
Ter na cabeça só raios de sol
Como a minha querida
E sem mais sem mais, sem mais
Sem nada só você, amor.

Quero rodar enquanto o mundo roda,
Fazendo pó na estrada com você.
Ouvindo moda enquanto você joga
Em mim a culpa por querer viver.

Quero cantar como num balbucio
Porém gritando se eu quiser gritar,
Por opção, como quem ama o Rio
Mas tem São Paulo como seu lugar

E desse jeito aprender o que é vida,
O que é preguiça de se aborrecer,
Olhar o mundo como quem me ama
Que disse que me ama até morrer.

Muito mais que uma lição de casa, considero esse som como uma lição de vida.

Conheça os Pullovers

Imagem daqui