Resenha – Mylo Xyloto – Um Colplay nem tão diferente assim…

Quem esperava que o novo álbum do Coldplay trouxesse a melancolia de clássicas como “Fix You” e “Amsterdam” de volta se enganou. Quem esperava que o álbum fosse uma continuação do sucesso espetacular de “Viva La Vida” também chutou errado. Mylo Xiloto mostra uma banda mais madura, mais cheia de emoções, com canções que fazem brotar um sorriso no rosto e músicas para refletir também. Mas acima de tudo, o novo álbum do Coldplay é uma reflexão, uma continuação da história da banda. É como se singles diferentes de outras fases de Cris, Guy, Jon e Will fossem reúnidos numa coletânea de inéditos que tem tudo para estourar. Mas não tem nada de impressionante também.

A primeira canção (depois da introdução “Mylo Xiloto”, no estilo de “Life in Technicolor” de Viva la Vida) já faz brotar esse sentimento de responsabilidade de quem precisa mostrar a que veio com os versos fortes “Yes, you use your heart as a weapon!   And it hurts like heaven”.

A canção seguinte é o single “Paradise”, que já toca nas rádios de todo o Brasil e fala da importância de sonhar. Outra que já é single é “Every Teardrop is a Waterfall”, uma música que de tão bonita poderia ser um poema ou um eterno despertador para todos aqueles pessimistas que só pensam coisas negativas.

Entre as canções prontas para virar grandes singles, destaco “Us against the World”, dedicada à todas as fãs que gostam das coisas mais fofas que saem da boca de Chris Martin e “Princess of China”,a história de um fim de relacionamento que conta com a participação especial de Rihanna. Mérito também para “Don´t Let it Break Your Heart”, que parece vir da mesma leva de inspiração que “Every Teardrop…” e “Up With The Birds” que encerra o álbum com um casamento perfeito de tudo o que você espera de uma das melhores bandas da atualidade: sonoridade perfeita, vocais bem localizados, melodia impecável e uma letra tão bonita quanto profunda para pôr a gente pra pensar.

Mylo Xyloto

Parlophone – 2011

  1. Mylo Xyloto
  2. Hurts Like Heaven
  3. Paradise
  4. Charlie Brown
  5. Us Against The World
  6. M.M.I.X
  7. Every Teardrop Is a Waterfall
  8. Major Minus
  9. U.FO
  10. Princess of China
  11. Up in Flames
  12. A Hopeful Transmition
  13. Don´t Let It Break Your Heart
  14. Up With the Birds

Nota: 7,5

Você também pode gostar de ler: 

Pedaços de Notícias;

A Rakky Recomenda – Coldplay;

Dez Razões para ouvir – Coldplay.

 

 

Rakky recomenda: Coldplay

Hoje eu estréio uma nova sessão nesse blog. Será o Rakky Recomenda e poderá ser espaço para recomendações de leitura, música, peças, novelas, filmes, momentos, e tudo o mais que me vier à cabeça. Como terei uma obrigação a mais com os meus poucos leitores, talvez isso me faça aparecer mais por aqui. Espero que gostem! E QUE COMENTEM TAMBÉM, afinal, adoro comentários.
Coldplay


Hoje eu vou falar de Coldplay. Tudo bem, uma banda comum e normal, sem qualquer diferencial marcante, correto? Não.
O Coldplay entrou na minha vida há alguns anos. Confesso, até uns três meses poderia me dizer ampla conhecedora dos sucessos da banda, tais como “Yellow”, “Speed of Sound”, “In My Place”, entre outros. Acontece que fui convidada pra escrever uma matéria especial sobre eles, e com isto, obrigada a mergulhar na história desse quarteto inglês. Foi aí que me fisgaram. Chris, Guy, John e Will me conquistaram pela leveza, suavidade e profundidade de suas músicas. Pelo jeito honesto e despretencioso de fazer seu rock. Pela forma suave como cada uma de suas músicas entra na alma e parece pertencer a quem ouve. Pelos pulinhos do Chris. Pelas carinhas do Will. Pelo mistério nos olhos do Guy. Pelas poses do John. Pelo jeitão “eternamente ex-universitários” que estes trintões têm. E principalmente pelo domínio musical que expõem no palco e fora dele, brilhantes e sabendo disto.

Atualmente, trabalham na turnê “Viva La Vida”, seu quarto álbum, e o mais impressionante também.

O som mais impressionante desse álbum, é o que dá nome a ele, “Viva La Vida”. Tudo bem, “Lovers in Japan”, “Death And All His Friends” e “42” também estão no álbum, mas “Viva La Vida” é completa. E segue a letra, e o link para o clipe. Delicie-se.

Viva la Vida – Coldplay

I used to rule the world
Seas would rise when I gave the word
Now in the morning I sleep alone
Sweep the streets I used to own

I used to roll the dice
Feel the fear in my enemy’s eyes

Listen as the crowd would sing

“Now the old king is dead!
Long live the king!”

One minute I held the key
Next the walls were closed on me

And I discovered that my castles stand

Upon pillars of salt and pillars of sand

I hear Jerusalem bells a-ringing
Roman Cavalry choirs are singing
Be my mirror my sword and shield

Missionaries in a foreign field

For some reason I can’t explain
Once you’d gone there was never

Never an honest word

That was when I ruled the world
It was the wicked and wild wind
Blew down the doors to let me in.
Shattered windows and the sound of drums

People couldn’t believe what I’d become
Revolutionaries
Wait
For my head on a silver plate
Just a puppet on a lonely string

Oh who would ever want to be king?

I hear Jerusalem bells a-ringing
Roman Cavalry choirs are singing

Be my mirror my sword and shield

My missionaries in a foreign field

For some reason I can’t
St. Peter won’t call my name
Never an honest word

And that was when I ruled the world

(Ohhhhh Ohhh Ohhh)

Hear Jerusalem bells a-ringings
Roman Cavalry choirs are singing

Be my mirror my sword and shield
My missionaries in a foreign field

For some reason I can’t explain
I know
St. Peter won’t call my name
Never an honest word
But that was when I ruled the world

Não dá pra esquecer porém dos álbuns anteriores do Coldplay.

No X & Y, uma das músicas mais perfeitas da banda:

Fix You – Coldplay

Clique e veja o clipe

When you try your best, but you don’t succeed,
When you get what you want, but not what you need,
When you feel so tired, but you can’t sleep

Stuck in reverse
And the tears come streaming down your face

When you lose something you can’t replace

When you love someone, but it goes to waste

Could it be worse?

Lights will guide you home
And ignite your bones
And I will try, to fix you
And high up above or down below

When you’re too in love to let it go

But if you never try, you’ll never know

Just what you’re worth.
Lights will guide you home

And ignite your bones
And I will try, to fix you.

Tears stream down your face,

When you lose something you cannot replace

Tears stream down your face
And I…
Tears stream down your face
I promise you I will learn from my mistakes
Tears stream down your face And I…
Lights will guide to home
And ignite your bones
And I will try
To fix you

No álbum “A Rush Of Blood to The Head”, tudo o que eu gostaria de fazer agora…

The Scientist – Coldplay

Composição: Berryman/Buckland/Champion/Martin

Clique e veja o clipe

Come up to meet you,

Tell you I’m sorry

You don’t know how lovely you are

I had to find you,

Tell you I need you

And tell you I set you apart

Tell me your secrets, And ask me your questions

Oh let’s go back to the start

Running in circles, coming tails

Heads on a silence apart

Nobody said it was easy

‘s such a shame for us to part

Nobody said it was easy

No one ever said it would be this hard

Oh take me back to the start

I was just guessing at numbers and figures

Pulling the puzzles apart

Questions of science, science and progress

Do not speak as loud as my heart

And tell me you love me,

come back and haunt me

Oh and I rush to the start

Running in circles, Chasing tails

Coming back as we are

Nobody said it was easy

Oh it’s such a shame for us to part

Nobody said it was easy

No one ever said it would be so hard

I’m going back to the start

Aah oooh ooh ooh ooh ooh (x4)

E no primeiro trabalho, Parachutes, uma música que simplesmente arrepia

Shiver – Coldplay

Clique e veja o clipe

So I look in your direction
But you pay me no attention, do you?
I know you don’t listen to me
‘Cause you say you see straight through me, don’t you?

But on and on
From the moment I wake
To the moment I sleep
I’ll be there by your side
Just you try and stop me
I’ll be waiting in the line
Just to see if you care

Oh, did you want me to change?
Well I’ve changed for good
And I want you to know that you’ll always get your way
And I wanted to say

Don’t you shiver
You shiver
Sing it loud and clear
I’ll always be waiting for you

So you know how much I need you
But you never even see me, do you?
And is this my final chance of getting you?

But on and on
From the moment I wake
To the moment I sleep
I’ll be there by your side
Just you try and stop me
I’ll be waiting in the line
Just to see if you care, if you care

Oh, did you want me to change?
Well I’ve changed for good
And I want you to know that you’ll always get your way
And I wanted to sayÂ…

Don’t you shiver
Don’t you shiver
Sing it loud and clear
I’ll always be waiting for you

Yeah I’ll always be waiting for you
Yeah I’ll always be waiting for you
Yeah I’ll always be waiting for you
For you, I will always be waiting

And it’s you I see
But you don’t see me
And it’s you, I hear
So loud and so clear
I sing it loud and clear
And I’ll always be waiting for you

So I look in your direction
But you pay me no attention
And you know how much I need you
But you never even see me

A cara de crianças desses quatro garotos nesse clipe só mostra sua evolução musical. De 1999 para cá, muita coisa mudou, menos a essência. Coldplay é Coldplay.

Alguns links pra quem quiser seguir de perto esses garotos:

http://www.coldplay.com
http://www.coldplay.uk
http://www.myspace.com/coldplay
http://www.lastfm.pt/music/coldplay

Dez Razões pra Ouvir – Coldplay

coldplay_whack

Quem ainda não ouviu o fantástico “Viva la Vida” ou ao menos soube da existência do novo do Coldplay precisa se atualizar melhor no mundo da música. Mas quem ainda não ouviu falar em Chris Martin e Cia. está mesmo precisando rever os seus conceitos. Fato é: os quatro universitários que formam o Coldplay, Chris Martin (vocal / guitarra / piano), Jon Buckland (guitarra solo / vocais de apoio), Guy Berryman (baixo / vocais de apoio) e Will Champion (bateria / vocais de apoio) cada um no seu estilo e com suas influências formam uma das melhores bandas inglesas da atualidade. Banda de cabeceira da Rakky, esses quatro meninos com certeza nos dão muito mais que Dez Razões Pra Ouvir. Mas vamos lá porque se eu não conseguir te convencer com Dez, ninguém mais vai conseguir.

1. Igual mas diferente: Que banda de rock não começa bem de baixo? Se você responde a esta pergunta com “Nenhuma, afinal, todas as bandas boas que eu conheço já foram bem pequenas”. Pois é, iguais a todas as outras, os quatro garotos do Coldplay começaram bem de baixo. Eles se conheceram na faculdade, pra ser mais precisa na University College London, em 1996. Chris sempre quis formar uma banda e já havia participado de outros projetos, mas quando conheceu Buckland esse projeto começou a se firmar melhor em sua mente. Tempos mais tarde, os dois conheceram Berryman e começaram a fazer alguns shows. Os três formavam o “Pectoralz”, que depois viria a ser o “Startfish”. O último a entrar na banda foi o baterista Champion, e é esta a formação que permanece até hoje. Dois anos se passaram (de 96 a 98 ) para que o Coldplay finalmente nascesse.

2. EP´s e Parachutes: Depois de ter a formação completa, os ingleses do Coldplay começaram a trabalhar em suas primeiras músicas e lançaram, em 1999, o EP Safety. Por falta de recursos, os garotos lançaram apenas 500 cópias desse trabalho, mas depois de distribuídas entre amigos, familiares e gravadora, acabaram se transformando em apenas 50. O primeiro single da banda “Brothers & Sisters EP” foi lançado logo em seguida pela gravadora Fierce Panda que se interessou pelo trabalho dos garotos. Outro EP lançado na época foi “The Blue Room”, dessa vez pela Parlophone, e teve tiragem de 5000 cópias, um avanço considerável. Graças a estes trabalhos, o Coldplay começou a tocar em vários festivais de música e em 2000 lançou o álbum “Parachutes”, que tinha uma venda esperada de 40 mil Cd´s. De julho a dezembro daquele ano, o álbum vendeu mais que 1 milhão e 600 mil cópias só na Grã-Bretanha e as músicas “Yellow” e “Trouble” ganharam o gosto das rádios de toda a Europa. Rápido e impactante, o som do Coldplay ganhava cada vez mais admiradores.

3. Um Multi-instrumentista: O Coldplay tem além de Chris Martin, o garoto das guitarras, vocal e piano, um multi-instrumentista. Este é Will Champion, baterista da banda, que aprendeu a tocar bateria apenas para integrar o Coldplay. Will sempre teve o apoio da família para se dedicar à música e tocava desde pequeno violão, baixo, piano e até flauta irlandesa. A dedicação à música o levou a desenvolver grande talento vocal, exibido também nos vocais de apoio do Coldplay. Para não desmerecer ninguém, preciso também dizer que Jon Buckland antes de entrar para a banda e até hoje, sofre grande influência de Eric Clapton e Jimi Hendrix, os melhores do mundo para ele e que Guy Berryman, antes do Coldplay, participava do Time Out e fazia Engenharia, por influência paterna. Depois de conhecer os garotos do Coldplay e entrar para a banda, ele mudou para arquitetura, e depois, definitivamente largou a faculdade para se dedicar à banda, tendo sido o único a fazer isto. Outra curiosidade em relação a Guy é que ele apesar de ser canhoto, toca o seu baixo de maneira destra.

4. A mais explícita declaração de amor: Não dá pra falar de Coldplay sem dedicar um tópico especial à melhor música dos últimos tempos, em minha humilde opinião, Yellow. A canção exibe sentimento em cada uma de suas palavras e em versos como “Do you know? For you I’d bleed myself dry” e “Your skin, oh yeah, your skin and bones, Turn into something beautiful”. A suavidade instrumental que acompanha toda a música e o emocionante final: “Is true… look how they shine for you…. look how they shine for you… look how they shine for…” misturam a doçura da voz e a agressividade de guitarras, num misto perfeito. A canção ajudou o álbum Parachutes a ganhar prêmios como o Brit Awards, o New Musical Express e um Grammy, como Melhor Álbum Alternativo! Conhecer Coldplay e não conhecer “Yellow” é quase um pecado capital.

5. Apoio a causas políticas: O lançamento do álbum “A Rush of Blood to The Head” também marcou o inicio das ações de apoio do Coldplay a causas políticas. Os garotos passaram a advogar pela campanha “Make Trade Fair” da Oxfam e pela Anistia Internacional entre outras. Participaram depois de projetos de caridade como o famoso “Live 8” e o “Teenage Câncer Trust”. O álbum tem em seu encarte indicações para sites de entidades assistencialistas como o “Green Peace”, o “Future Forest” e o “Planet Save”, entre outros. “A Rush of Blood to The Head” também marcou o terceiro ano da carreira de uma banda que já tinha diversos hits e trilhava um caminho maravilhoso perante o público e a mídia. Não foi a toa que o álbum ganhou dois prêmios Grammy seguidamente, em 2003 e 2004. Toda essa energia positiva já lhes dava gás para viajar o mundo em uma turnê. E foi isso o que eles fizeram, para a alegria de todos, inclusive nossa!

6. Brasil, Brasil: Sim, sim, sim, eles já estiveram duas vezes por nossas terras. A primeira foi na turnê do “A Rush…” como acabei de citar. Esta turnê foi de julho de 2002 a setembro de 2003 e a partir dela também houve a gravação do primeiro DVD da banda, nomeado simplesmente “Live 2003” e gravado em Sydney, Austrália. A segunda passagem da banda pelo país foi em 2007, com o comportado “X & Y”, e o veto de Chris à venda de bebidas alcoólicas durante os shows, o que deixou alguns cervejeiros de plantão revoltados. Mas nada tirava o brilho do Coldplay no palco e as apresentações em São Paulo reuniram milhares de fãs cada vez mais encantados pela performance dos quatro ingleses.

7. O yin yang misterioso do Coldplay: Acertou aquele que imaginou o “X&Y” como a minha próxima razão para ouvir Coldplay. O álbum, lançado em 2005 significa para Chris Martin uma analogia entre os pontos altos e baixos da vida e de seu dia a dia. Em entrevista a uma revista americana, Martin disse: “É um jeito mais legal de se dizer ying e yang. Todo o meu dia é uma mistura de otimismo e pessimismo em suas formas mais extremas. E é isso o que ‘X & Y’ significa para mim. São dois lados. Eu gosto do fato de essas letras serem tão fortes, tão claras, linhas muito duras. Fica ótimo quando você escreve. E fica ótimo quando você vê a arte do disco. É demais. Eu posso dizer isso porque fui eu que fiz”. E é assim mesmo. Basta ouvir o single “Speed of Sound” ou a romântica “A Message”, que não apareceu nas rádios, para saber que Chris estava certo em sua definição. Prova da competência mostrada neste novo trabalho foi o número de vendas da primeira semana após o lançamento. Na Inglaterra, o álbum chegou a vender 464.471 cópias, ficando em segundo lugar no ranking da UK Álbum Chart, atrás apenas do Oásis. Esse sucesso também notado nos EUA com 737.000 cópias também na primeira semana após o lançamento. Outro dos mistérios envolvidos no álbum é a capa do CD, uma mistura de desenhos geométricos que os caras do Coldplay revelaram mais tarde ser uma mensagem conforme o Código Baudot, que foi uma das primeiras ferramentas telegráficas do mundo. A linguagem utilizada foi criada por Emile Baudot em 1874 e substituída pelo Código Morse em meados do século XX. No encarte do álbum há a linguagem completa de Baudot e utilizando-se dela os fãs podem decodificar as duas mensagens ocultas que o CD trás, na capa e na contracapa. Agora me diz que fã é que não vai querer comprar o CD original só pra decifrar a mensagem?

8. Proteção autoral: Ainda que tendo conquistado todo o sucesso que o Coldplay já demonstrou, os garotos ainda protegem demasiadamente seus sons do mau uso midiático. Eles permitem o uso de canções em campanhas, televisão e cinema, buscando sempre priorizar propostas de cunho social ou educativo, mas são extremamente inflexíveis quanto a propagandas publicitárias. Isto se deve a dificuldade que os quatro teriam em “vender” o significado de seu trabalho. Nas palavras de Martin: “Nós não conseguiríamos viver com isto. Seria como se vendêssemos o significado de uma música”. Assim, já recusaram contratos milionários de marcas como Gatorade, The Gap e Diet Coke para as músicas “Yellow, “Don´t Panic” e “Trouble” mas cederam “Clocks” para o trailer do filme “Peter Pan”.

9. Viva la Vida: O nome completo do álbum é “Viva La Vida Or Death And All His Friends” e foi inspirado por dois momentos específicos: a visão de um dos quadros de Frida Kahlo, famosa pintora mexicana, conhecida por pintar temas relacionados à cultra e folclore de seu povo, pela ousadia da obra, além de é claro, a turnê do Coldplay pela América do Sul, o que faz o nome “Viva la Vida” ser mais utilizado. Passeando por igrejas góticas de Barcelona é que o Coldplay encontrou a vocalização necessária para a utilização neste novo trabalho. O primeiro single “Violet Hill” já ganhou duas versões em vídeo, e a segunda mostra chefes de estado e políticos como George W. Bush, Tony Blair, Barack Obama, Fidel Castro e Hillary Clinton dançando ao som da música.

10. Dowloads e Internet: O Coldplay também descobriu a Internet. Tanto é que o som “Violet Hill”, do novo álbum “Vila la Vida” foi disponibilizado para download no site oficial da banda e baixado por mais de 600 mil pessoas. Antes disso, os garotos foram eleitos como “a banda mais popular da Web” pela BBC, em uma pesquisa com um software que analisava sites de relacionamento e discussão musical como a “Last FM”, o “Youtube”, o “iTunes” e o “MySpace”. E por falar em MySpace, os fãs de Coldplay que quiserem conhecer um pouquinho do novo álbum, bem como ouvir diversas músicas da banda diretamente na Internet, pode buscá-los no site e logo os encontrará.

Enfim, o Coldplay mostra competência, profissionalismo e qualidade em cada uma de suas aparições. Espero ter mostrado mais uma vez boas razões para incluir uma banda na playlist do seu PC, entre suas bandas favoritas, ou na lista de bandas que você carregará em seu Ipod.

Alguns links relacionados ao Coldplay:
http://www.coldplay.com
http://www.coldplay.uk
http://www.myspace.com/coldplay
http://www.lastfm.pt/music/coldplay

Publicado originalmente no site MundoRock.net em julho de 2008