Roacutan: nova consulta e novas soluções

Sim, fui à dermatologista ontem. E sim, estou até com mais ânimo para continuar.

Caramba, a minha médica fez o tratamento durante um ano também. E ela é tão linda… parecia também absolutamente sincera quando disse que só parou de usar o remédio quando foi obrigada a fazê-lo. Sim, o remédio traz ótimos resultados para a pele, com certeza.

Sobre os efeitos colaterais… bom, falei pra minha médica tudo o que eu senti durante o último mês, e recomendo que qualquer pessoa que passar por esse tratamento o faça. É necessário (senão indispensável) compartilhar todas as dúvidas, incertezas, problemas, alergias e até a vontade de desistir do tratamento que nos dá de vez em quando. E foi exatamente isso o que eu fiz. Resultado? Mais hidratantes e mais fortes também.

  • Uremol Fluid: para o corpo. Usar de uma a três vezes por dia, de preferência após o banho;
  • Hydraphase XL: para o rosto. Sempre depois do banho e antes do filtro solar. Aliás, o filtro solar deve vir sempre depois desse.

Não, você não vai achar esses creminhos por um preço “companheiro” nas farmácias e drogarias. Assim como o Roacutan (que está na média de R$ 130 a R$ 150 por aqui), tanto o Hydraphase (R$ 97) quanto o Uremol (R$ 60) dão uma bela furada nos nossos bolsos. Mas são incrivelmente hidratantes. Para os dias de mais calor (ah, o verão!), minha médica recomendou (e eu também!!!) que eu usasse o Kalima, que foi o primeiro hidratante que eu usei, logo quando comecei o tratamento. Isso porque ele é bem mais leve, no sentido de ser agradável de usar e não deixar aquele efeito “tô grudenta” na pele.

De resto, é muito protetor solar, muita manteiga de cacau, muita água e muita força de vontade. Às vezes, você vai se sentir tão triste por nada que vai querer é deixar tudo pra lá e desistir. Mas, como a minha querida dermatologista já me disse, é levantar a cabeça e seguir em frente: você não é o único que tem esse tipo de problema com acne e nem será o último a se tratar.

Roacutan… medo…

É, estou chegando ao fim do meu segundo mês de tratamento. A cada vez que paro para pensar um pouco nisso, avalio os resultados e os efeitos colaterais e tenho medo, muito medo. Isso porque, nesse segundo mês, se eu for avaliar tudo o que me aconteceu e comparar com o primeiro mês, tive muito mais efeitos colaterais do que melhorias. Vejamos:

  • Meu rosto voltou a ficar marcado… tenho novas marcas de acne surgindo e alguns cravos esporádicos aparecem do nada;
  • Junto ao aparecimento de acne está o ressecamento da minha face… na semana passada, passei a mão por trás da orelha para ajeitar o cabelo e senti casquinhas de pele sairem de mim… me sinto como uma cobra em seu período de troca de pele;
  • Tenho coceiras, muitas coceiras, mas talvez isso se deva ao ressecamento da pele;
  • Lábios? Pois é, manteiga de cacau a cada 5 minutos… tem gente que acha exagerado e até faz piada, mas meus lábios queimam se eu passo tempo demais sem qualquer hidratação… atualmente minha melhor amiga é uma embalagem branca, cilíndrica e de aproximadamente 3 centímetros, que fica dentro da minha bolsa o tempo todo e é extremamente acessível;
  • Dores musculares tem sido menos frequentes, mas ainda existem;
  • Talvez seja só um momento na minha vida em especial, mas tenho sentido uma tristeza frequente e sem motivo… como depressão pode ser um dos efeitos colaterais, estou relacionando a isso também, mas pode não ter nada a ver.

Enfim… é a terceira vez em menos de uma semana que eu penso em desistir do tratamento. Tenho consulta no próximo dia 23 e preciso muito da minha médica pra me tirar mil dúvidas. Depois da consulta, talvez eu fique mais animada para prosseguir o tratamento. Talvez não…

 

Mais sobre o tratamento: minha guerra contra a acne continua

Hoje fui fazer os exames mensais para dar continuidade ao tratamento para acne. É uma coleta de sangue apenas, e com a amostra são feitos 8 exames, que demonstram meus níveis de colesterol, minha taxa de glicemia e até se eu estou ou não grávida. O exame de gravidez é indispensável para a continuidade do tratamento em todas garotas que se submetem aos efeitos do Roacutan. Isso porque, caso uma garota que esteja sobre efeito do medicamento fique grávida, o bebê corre sério risco de nascer com deformações. Sim, esse negócio é um tanto perigoso.

Tive poucos problemas maiores com o tratamento nas duas últimas semanas. A ardência no rosto passou, só a sensação de ressecamento constante continua. A sede é uma coisa com a qual já me acostumei: me sinto tão sedenta por água como um vampiro pode se sentir por sangue (e eu acho que minha leitura intensa de uma série vampiresca por aí influenciou esse pensamento), mas já é corriqueiro. Tomo mil litros de água por dia. Tive vontade de consumir bebidas alcóolicas, mas em todas as oportunidades me lembrei que tenho muito amor ao meu fígado. Manteiga de cacau, protetor labial, brilho e qualquer outra coisa nesse gênero também não surtem mais efeito: minha boca parece tão ressecada quanto uma uva passa 5 minutos depois de passar qualquer proteção.

Tudo bem que tudo isso pode assustar. Mas os resultados têm vindo também. Não tive muitas espinhas novas, as velhas estão sumindo, está tudo bem. Só no último fim de semana meu corpo parece ter tido uma recaída e me deu duas pequenas marcas de presente, uma na testa e uma abaixo do olho direito, quase no formato de uma lágrima. Semana que vem fecho o primeiro mês com uma consulta à dermatologista e aí veremos o que se passa comigo. Até lá, é continuar tomando o remédio direitinho e lembrar de anotar qualquer novidade.

A primeira semana de tratamento

Pois é. Amanhã completa-se a minha primeira semana de tratamento com o Roacutan. Alguns resultados e efeitos colaterais:

  • No domingo, acordei com os olhos coçando muito. Ao me olhar no espelho, percebi meu rosto completamente vermelho. Minha pele, de modo geral, está mais sensível e sinto muita ardência ao usar qualquer protetor solar;
  • Dores musculares aparecem de vez em quando;
  • Ontem, tive uma falta de ar, seguida de uma forte dor no coração. Respirei fundo durante uns dois minutos e passou.

Nenhum desses problemas foi uma surpresa. Na verdade, eu esperava que os primeiros efeitos fossem bem piores, de acordo com todas as orientações da minha dermatologista. Algumas pessoas já conseguem perceber efeitos positivos do tratamento no meu rosto, e eu também tenho notado poucas mudanças. Outra das sensações que incomodam muito é a sede. Por mais que eu beba 5 litros de água por dia, estou sempre, o tempo todo, com muita, mas muita sede mesmo. Outra coisa é que eu sempre estou com calor, e sinto a temperatura do meu corpo sempre quente, como se eu estivesse sempre com 40º de febre.

Eu sempre tomei bastante água, mas isso está ficando fora do controle.

Agora, vou deixar uma dica pra quem começar o tratamento: comece a utilizar hidratantes antes de começar a ingerir o remédio. Com certeza seu médico vai te indicar algum sabonete /  creme hidratante para acompanhar o tratamento + o protetor solar e um hidratante para os lábios. Faça uso desses ‘cuidados’ antes de iniciar o tratamento com Roacutan. É bom porque você não vai se sentir tão ressecada(o) já de cara. Eu comecei a usar os hidratantes um dia antes do remédio, e tem sido positivo. O que estou usando é:

  • Protetor solar Nívea FPS 30 (sim, é pra usar todo dia no rosto, se chover ou se fizer sol);
  • Loção hidratante Kalima;
  • Sabonete hidratante Kalima;
  • Hidratante para lábrios Epidrat FPS 30.

Outras recomendações:

  • Alimentação saudável, sempre;
  • Muito líquido (não só água);
  • Dois banhos por dia (essa é super pessoal, mas como você com certeza vai sentir muito calor, vai passar por essa dica sem perceber);

Até a próxima postagem.

Obs: todas as postagens relacionadas ao tratamento com Roacutan se referem APENAS à analise pessoal que tenho feito do tratamento. As recomendações e experiências aqui postadas não têm cunho médico ou profissional e são baseadas em minha experiência e analise dos efeitos do remédio em mim. As orientações passadas por qualquer tipo de profissional serão devidamente sinalizadas.