Música Ruim, a análise – Parte I

Todo mundo gosta de falar mal de música que não gosta né? É, eu também gosto muito de fazer isso, mas procuro ter argumentos para tal. Gosto de ouvir atentamente tudo quanto é tipo de música, as que acho lindas e as que acho horríveis, porque gosto mesmo de tocar o barraco de ter argumentos quando falo que não gosto de alguma coisa. Para mim, o principal argumento que me faz gostar ou não de alguma música é o seu significado, o que quer dizer pra o mundo. E aí é que entra esse desafio que me impus hoje: analisar letras de músicas que não gosto, para pôr a galera pra refletir no que anda ouvindo por aí. E porque essa é a “Parte I”? Tem tanta música nesse mundo que eu detesto que acho que se eu não chegar no “Parte CCCCLXXXIV” vai ser uma vantagem…

Começando com um clássico que escutei esses dias, Peraê! da Banda Beijo:

Para de sorrir se não te agarro, se te pego assim sorrindo não te largo
Peraê, peraê, peraê, tá pensando o que, tá pensado o que (2x)

Já vi muita gente falando por aí que bahiano é vagabundo, mas que não pode dar um sorrisinho na rua que se não vem alguém e te agarra é pesado né gente? Tipo assim, tô atravessando a rua conversando com um amigo e ele me conta uma piada. Eu ri e pronto! Vem um louco tarado de lugar nenhum, pula na minha frente e me agarra. Punk né? Mas aí, continua…

No meu travesseiro de areia, vem a lua cheia e me incendeia

Então não é o Dragão de São Jorge que bota fogo pelas ventas gente, é a LUA que pega fogo e incendeia todo mundo. Entendi…

Outra canção impagável do nosso cancioneiro popular é Balada Boa, do Gusttavo Lima

Gata, me liga, mais tarde tem balada
Quero curtir com você na madrugada
Dançar, pular que hoje vai rolar.

Tchê tcherere tchê tchê,
Tchereretchê
Tchê, tchê, tchê,
Gustavo Lima e você
Tchê tcherere tchê tchê,
Tchereretchê
Tchê, tchê, tchê,

Eu não vou falar nada da repetição de onomatopeias, porque boa parte dos fãs dele não vão saber o que é isso mesmo. Agora pensando friamente no tema, o cara convida a mina pra ligar pra ele, logo não tem crédito. Já diz que seu objetivo é “curtir com ela na madrugada”, deliberadamente com segundas intenções. Aí, quando ele chega a dizer o que vai rolar de verdade, é um tchê, tcherere tchê, tchê? O que isso significa? Que ele é gaúcho e vai ficar apontando pras pessoas? E o que o nome do moço tem a ver com o tchê, tcherere tchê, tchê? Não entendo…

Para ninguém dizer que eu não vou até os últimos níveis de sanidade mental analisando letras, eu digo, vou sim. Por isso a próxima canção, dos caieirenses e franco-rochenses  do Cine, mereceu seu lugar de destaque aqui:

Sempre escuta as bandas que eu nunca ouvi
Sempre de vestido pra sair
E quando ela sai, não importa pra onde vai
Sempre com o cartão do pai, compra tudo e se distrai

Te vejo na minha (Te vejo na minha)
Vai ser só minha (Vai ser só minha)
Falo tão sério, é sério você vai
Vai ser só minha (Vai ser só minha)
Vem ser só minha
Vai ser você
Aposto um beijo que você me quer

A mina escuta as bandas que o cara nunca ouviu. Tá, ele pode não escutar muitas bandas, afinal é do Cine, ou ela pode ser um fenômeno hypster…tese confirmada pelo fato de só sair de vestido (se for de bolinha então, vix!). Mas aí é que tá o barato do negócio. Não importa pra onde a mina for, ela vai com o cartão do pai e se distrai. Que tipo de rima é essa? É a mesma coisa que rimar mão com anão, ou xixi com pipi, ou fugir com sair ou rua com rua como o Ira! em Envelheço na Cidade… falando nisso, o povo do Ira! fez umas coisas legais na vida com o clássico Vida Passageira:

Vou dar então um passeio
Pelas praias da Bahia
Onde a lua se parece
Com a bandeira da Turquia…

E aí você acha que não dá, que essa música não existe e tudo o mais porque seria meio absurdo alguém falar que vai dar um passeio nas praias da Bahia só pela semelhança da lua com a bandeira da Turquia… tá, eu sei q ele quis dizer que parece o formato, mas ainda assim é zuado né? E você acha que não conhece essa música? Alguns versos pra frente da beleza acima é possível cantar junto e chorar emocionado:

É quando seus amigos
Te surpreendem
Deixando a vida de repente
E não se quer acreditar…

Mas essa vida é passageira
Chorar eu sei que é besteira
Mas meu amigo!
Não dá prá segurar…

Agora você pensou “Como foi que eu não vi isso antes?”. Para finalizar, uma música que você nem lembrava que existia, mas que eu não preciso nem comentar né?

Naquela noite encantada
Pedi prá lua dos amantes
Que iluminasse essa hora
Prá esse amor eternizar…

Mas num passe de mágica
Você desapareceu
Um eclipse maldito
O encanto se perdeu
E o meu coração partido
Foi sofrendo e foi sofrendo
Tentando te encontrar
Na madrugada
Fria madrugada!…

A lua me traiu!
Acreditei que era prá valer
A lua me traiu!
Fiquei sozinha
E louca por você…(2x)

Um passe de mágica? Um eclipse maldito? A lua me traiu? A pessoa que escreveu isso sabe o que é um eclipse?

E aí, que música ruim você quer ver aqui na próxima? Comenta aê!!

Rakky Não Recomenda: atendimento e serviços 3G da Claro (Parte I)

Caro leitor, não se assuste com o título deste post. Eu nunca postei nada por aqui falando bem ou mal de nenhuma empresa (ao menos não até hoje), mas não consegui me segurar depois de tudo o que me aconteceu. É meu direito de consumidora protestar contra o atendimento que não é prestado com qualidade e nessas linhas quero deixar registrada a minha insatisfação, bem como não recomendar em hipótese alguma os serviços da Claro a vocês, cinco ou seis amigos queridos que sempre passam por esse blog. Mas, vamos à minha história: No dia 2/3, vi uma oferta no Groupon que dizia mais ou menos assim: “Compartilhe sua Internet com quem você quiser – modem + roteador Claro 3G – Internet em Dobro – por apenas R$ 39,90. Eu, sem internet que estava, cresci os olhos na pechincha fui buscar mais informações sobre a oferta. E adquiri meu cupom Groupon para ter direito àquela vantagem. A merda toda já começou aí. Eu só podia resgatar o meu cupom no site da Claro em 4/3. A partir daí a empresa tinha 10 dias úteis para processar o meu pedido. Depois de processado, eles precisavam confirmar o pagamento e após isso tinham mais 20 dias úteis para realizar a entrega. Ou seja: fui receber meu modem + roteador quase de presente de aniversário, no dia 8/4, depois de reclamar que o prazo havia vencido e eles não tinham me mandado a entrega ainda.

Beleza, modem e roteador na mão, é só instalar e só alegria. Não, caros amigos. A caixa veio com um manual, um guia rápido e uma garantia do roteador e nenhuma informação sobre o modem. Um outro detalhe que fará mais sentido quando você já estiver na metade da história é que o kit continha um contrato de plano pré-pago, com algumas condições que condiziam com o serviço para os chips instalados em celulares e não falava absolutamente nada da Internet 3G (sim, eu leio contratos de prestação de serviços e não me acho idiota por isso!). Como eu tenho conhecimentos básicos de informática, consegui instalar, não sem algum sacrifício. Aí, estamos minha roomie e eu usando a internet que é uma beleza, com um plano de 6Gb quando, no dia 20/4, exatos 12 dias após o início do uso do serviço aparece uma mensagem na minha tela, dizendo que eu TINHA USADO TODO O LIMITE DE 6GBS. Peraí amigos: não baixei nenhum programa ou material que tivesse mais que 1Gb (aliás, o que baixava era bem menos), o meu uso da internet foi extremamente razoável, a minha roomie também não usou muito… EU QUERO UM RELATÓRIO DE TRÁFEGO QUE MOSTRE ONDE E QUANDO EU UTILIZEI TUDO ISSO! Liguei no 1052, abri chamado no site, tentei ter algum direcionamento pelo Twitter da empresa, fui a umas 3 lojas da Claro e NINGUÉM conseguia me esclarecer como é feito o cálculo de tráfego para a Internet 3G da Claro. Depois de tanto correr, me conformei com o gráfico do site deles que mostra quanto do serviço já consumi, mesmo sabendo que não dá pra confiar muito, já que aparece apenas uma régua vermelha dizendo que você já usou tudo aquilo do seu limite, sem que você tenha nenhuma possibilidade de conferir. Fiquei do dia 22/4 até o dia 7/5 sem internet em casa, pagando pelo serviço, porque ninguém me atendeu direito. Mas tudo bem, sou uma idiota mesmo uma consumidora pacifica, me conformei.

(continua nos próximos capítulos)

O grande erro de Rebecca Black

Nos últimos dias, a Internet está em polvorosa, graças a uma adolescente que resolveu gravar uma canção e tentar a carreira artística. Seu nome? Rebeca Black. Não sabe do que eu estou falando? Clique aqui.

A garota tem 13 anos e apareceu para o mundo durante o mês passado (março de 2011). Seu videoclipe (que atinge até o momento a marca de 105 bilhões de visualizações) custou a sua mãe cerca de 2 mil dólares, conta com a participação de amigos e familiares da cantora, virou piada nos Trending Topics do Twitter e ganhou milhares de paródias no Brasil e em todo o mundo. Ainda assim, Friday já vendeu muito no iTunes e está entre as mais tocadas nas paradas Billboard de músicas digitais, ainda que haja muito mais gente que a odeia do que pessoas que realmente gostam dela.

O clipe da garota reúne, ainda que com o pouco orçamento gasto, quase tudo o que a música pop está acostumada a ver, e que garante fãs enlouquecidos: desenhos do cantor / cantora, clipe com uma história sendo contada, amigos, diversão, uma balada, um refrão extremamente repetitivo, alguns agudos extras no começo e no fim da música, cor (muita cor!), roupas diferentes (moda) e até um rapper incluindo a emoção de um verso para fechar a música com chave de ouro, num clipe divulgado no Youtube, pronto para fazer de Rebecca a nova estrela do pop mundial. Poxa, dessa mesma fórmula já beberam desde os Jonas Brothers (com a Disney como suporte), os brasileiros do Cine e do Restart e até o Justin Bieber, todos amados por milhares de fãs. Agora, a pergunta que não quer calar é: o que Rebecca Black fez de errado?

Talvez a gravadora não tenha se dado conta do exageiro da produção do clipe. É claro, a voz da menina é fraca (mas outros piores já se deram muito bem), da junção de todos os elementos pop num mesmo videoclipe e da confusão da letra repetitiva. Talvez ela só tenha dado o azar de alguém finalmente ter percebido como tudo isso é ruim. O fato é Rebecca só está lutando por seu lugar na farofa escrota que se tornou a música pop mundial e, entre amor e ódio, a garota já processou a gravadora, já ganhou uma boa grana e ainda garante o lançamento de uma próxima canção, chamada “LOL”. Quanto tempo será que a façanha da garota vai durar?