Fotos na Estante

PS. antes que alguém diga: não, isso não é uma série de posts baseados em nomes de músicas do Skank. É só que eu tenho sido inspirada por coisas que acontecem no dia, e aí, quando coloco tudo no papel, Skank surge para nomear tudo. Não posso fazer nada!  

Dia desses estava olhando as minhas fotos antigas. Me dei conta de que eu fui uma bebê linda, uma criança bonita, uma adolescente feia pra caralho, uma universitária um pouco menos feia e agora, sou uma jornalista de aparência mediana. Isso no aspecto estético da coisa. O que significa que, traçando um gráfico, eu tive um período de pico de beleza, quedas consecutivas e um retorno à variável positiva.

Mais ou menos no mesmo período, “achei” uma propaganda de roupa que me lembrou uma outra, que por um acaso apareceu numa revista que a Andreia folheava um dia, na casa dela. A Andréia é a minha melhor amiga da adolescência e, como tal, sabe como eu era feia na época e sabe meus segredos todos da época. A propaganda lembrada era de uma marca de roupa que tinha vários jovens, como que sentados juntos, posando pra foto e usando as roupas da marca. A gente lembra dessa propaganda muito bem porque um dos jovens era um sósia do garoto mais bonito da escola (quiçá do universo) pra nós duas naquela época. Ele era lindo, tinha bom gosto musical e, é claro, era impossível, porque era da turma dos mais velhos. Aí eu fui ver se ele ainda existia e levei um susto: existe, e está horrível. Analisando o gráfico dele eu poderia dizer que ele teve um pico de beleza além do comum e, de uma hora para outra, começou a decair, como quem desce rolando uma grande colina… e ele ainda deve estar na metade dela, porque olha…

Ok, toda essa introdução (introdução???) é pra dizer que eu acredito muito que a mudança estética tem a ver com a mudança no estado de espírito da pessoa. Quando você está triste, por alguma razão, você passa a cuidar menos de si (e fica feio pra caralho). Quando está feliz, o contrário logo é perceptível.

As minhas fotos na estante dizem que os períodos mais bonitos da minha vida aconteceram entre os 18 e os 21 anos. Foi nesse período também em que eu deixei de ser feia pra caralho. Não que hoje em dia eu seja um primor, uma jóia rara, mas porran! Eu tinha fotos terríveis naquele período em que eu achava que estava bem, gente!

Talvez o menino bonito que eu e minha amiga admirávamos tenha tido uma fase adulta difícil. E se descuidado. Talvez isso seja só uma mais uma tese infundada da minha cabeça, que funciona sem achar muito sentido. De qualquer forma, é uma tese.

E você? Se sente mais bonito hoje? Acha que a sua vida estar melhor / pior te faz se sentir mais bacana? Seu estado de espírito influencia você?

Anúncios

“Eu preciso urgentemente de um psicanalista…” Ops!

Psicanalista

Bom… é isso aí, agora eu não preciso mais de um psicanalista porque já tenho um. Isso não é o tipo de coisa que as pessoas tornam público (por vergonha, gente besta!)  mas, é isso aí, já disse que eu não sei viver sem escrever a respeito.

Faz muito tempo (mesmo) que sei que preciso de ajuda para me ajustar no mundo e para entendê-lo. Agora só estou fazendo as coisas funcionarem. Dá pânico falar tanto da sua vida para uma única pessoa, dizer as coisas mais profundas da sua vida para uma pessoa que pode dizer que você é louca ou não por falar a respeito delas ou por simplesmente senti-las, mas é uma necessidade. Algo que tem me feito ver muito.

O problema é que tenho me sentido tão frágil como sempre soube que fui, e um pouco mais. A minha força para ver o mundo, meu otimismo, meu jeito otimista de encarar até as coisas mais difíceis, tudo isso parece ter se esvaído de mim… e voltado de repente. Tenho percebido tantas forças e tantas fragilidades quanto são possíveis num ser humano e visto como tudo o que vivi me obrigou a ser quem sou, de uma forma que nunca tinha reparado antes.  E vendo todas as minhas carcaças e proteções serem quebradas, para mexer nas feridas, fazê-las sangrar e curá-las. Apesar do medo, acredito que vai dar certo.

E é claro, como não podia deixar de ser, existe uma música no universo tão perfeita para esse momento que aparentemente foi escrita pra ele.

 

Está tão difícil ajeitar as coisas
E, cada vez mais, agradar a todos
Quanto mais se faz, mais fica-se devendo
E pra se viver, mais vai se fazendo

Roer as 20 unhas não adianta nada
Correr pra velha, não é solução
Todos dançam tristes na banda dos contentes
Ritmos todos, bem diferentes

Às vezes, olho no espelho
Não vejo minha cara
E com que cara que eu vou me mostrar
Dentro de mim, com o meu saco cheio
Porque a vida me fez
Somente do meu tamanho

Com todo o direito
Reclama o meu peito
Achando que a mente
Não tem mais condição
Está faltando a força duvidosa
Da minha razão

Eu preciso urgentemente de um psicanalista
Vou pagar pra ver meus pontos de vista
Ou, então, eu mesmo me trato
Com a viola e vou pro mato
Senão minha cabeça explode
Explode… explode… explode…

Ou quem sabe ela implode
Num processo simplesmente se dissolve
Me diga onde já se viu
Um corpo confuso que a cabeça fundiu

Nadar é viver!

nataçãoAi estava eu procurando um esporte que eu pudesse fazer sem que meu joelho me desse razões para morrer. E aí pensei, pensei mais um pouco e pensei de novo. E aí achei que a Natação seria algo legal e que eu nunca tinha pensado antes.

Demorei um bocado de tempo para decidir que era isso que eu ia fazer da vida mesmo mas quando eu finalmente decidi, percebi que perdi 24 anos da minha vida sem saber nadar, sem entender que maravilha que é isso. Nadar faz você ter um contato muito mais intenso com a sua respiração, te tranquiliza, faz você ter mais resistência, força, precisão, faz você ter mais equilíbrio e é uma delícia, entre outras mil coisas. É algo que eu realmente devia ter começado a fazer antes.

O problema agora é: como sobrevivo às semanas de recesso do curso? Não vejo a hora de 7 de janeiro chegar e de eu voltar para aquela piscina linda. Já ganhei até medalha. É sério, olha só:

medalhaE Mutley disse: “medalha, medalha, medalhaaaaa!!!” 

 

 

Roacutan: dúvidas mais comuns / terminei meu tratamento

Esse é um post dedicado aos 3964 leitores da Internet que me mandaram dúvidas por e-mail sobre o meu tratamento com  Roacutan. Se você não faz parte dessa massa, so sorry… próximo post!

Não falei antes, mas faz tempo que terminei meu tratamento com Roacutan. Não fui até a última caixinha, mas o resultado foi espetacular. Vejam:

 

Bom, partindo do pressuposto de que terminei o tratamento e de que não sou dermatologista, mas que fiz o tratamento e posso relatar experiências, segue uma lista das principais dúvidas que nós, pobres mortais, temos em relação ao remédio e que às vezes nossos queridos dermatologistas não nos esclarecem direitinho:

  • É normal sentir ardência e ver a pele descascando? sim, mas depende da intensidade. Um dos efeitos colaterais do Roacutan é o ressecamento da pele;
  • Quando o médico pede pra eu tomar mais que uma pílula de Roacutan por dia, devo tomá-las todas juntas? sim! A minha dermatologista sempre dizia para eu tomar o remédio antes de uma refeição (não imediatamente antes, mas, uns 20 minutos antes do almoço, por exemplo). Era assim que eu fazia. Tomava os meus dois comprimidos por dia, no mesmo horário, juntos;
  • Nos primeiros dias, é normal aparecerem mais espinhas? completamente normal! Aliás, aconteceu comigo e com todos os meus amigos que já usaram e para os quais eu perguntei. Não é preciso se desesperar! Depois de um mês, vai sumindo tudo… rsrs
  • Os níveis de colesterol ruim sobem após o início do tratamento? sim, é muito! O Roacutan tem uma formula baseada em gorduras que não são lá tão legais, por isso, o tratamento com o remédio deve acompanhar uma dieta em que as gorduras passem longe… é fogo!
  • Posso engordar tomando Roacutan? sim! Outro efeito colateral…
  • Coceiras, dores musculares e lábios rachados também são efeitos colaterais? sim, e ficam sempre por perto…

Bom pessoal, acho que é isso. Não vou mais escrever sobre Roacutan, mas vcs podem ler, se se interessarem, todos os textos publicados aqui e que falaram sobre o assunto. É só clicar aqui.

Ah, nunca se esqueçam: é essencial consultar um dermatologista para tirar dúvidas sobre o tratamento. Eu não sou médica, sou apenas uma pessoa que fez o tratamento e obteve resultados. Só o seu médico é que pode dizer o que é melhor pra você.

 

Academia: um projeto 2011

É pessoal, quem diria, me rendi a essa coisa fazer academia. Mas calma, não sou uma viciada em potencial: quero mais saúde e perder uns quilinhos, como todas as pessoas normais que querem um pouco mais de motivos para sorrir (meigo isso né? Também achei! uhahuahua).

O fato é que ano passado eu entrei na academia do Banco, que é a Bio Ritmo. No começo, fui assídua ao ponto de minha personal me dizer que eu tinha uma das melhores presenças de toda a academia. Mas, ou a troca de ficha me desanimou ou o final do ano acabou comigo e eu não tenho sido mais a aluna mais presente. Acho que quero mudar isso em breve, então, preciso me dedicar. Eu sempre quis ser uma pessoa mais saudável, em dia comigo e com o meu corpo e não tenho potencial para fazer regimes difíceis, então, a academia e uma alimentação balanceada, que me permita ter alguns luxos como as minhas queridas sobremesas e meu amado chocolate, são coisas que eu suportaria e que me ajudariam a viver melhor.Por isso, para mim, a academia pode ser a melhor solução.

Nesse novo ano vou começar a levar a academia mais a sério. Eu engordei muito (15 kg para ser mais exata) nos últimos 5 anos (pois é gente, é verdade) e preciso de alguma coisa que me faça não emagrecer tudo isso de volta, mas alcançar um peso que esteja de acordo com a minha altura e me faça ter uma aparência mais legal. Se eu perder uns 7 kg acho que já estarei bem…Além disso, algum dia quero ter uma bike para pedalar pela cidade no fim de semana, quero fazer algumas corridas e quero ter preparo físico pra isso… um bom começo é levar a academia a sério não é? Eu acho que sim… vamos ver como evoluo?

Pedido

Sim, eu sei que faz tempo que eu abandonei o meu blog. Mas não sem razão.

Eu sei que deveria escrever algo melhor, mas não estou escrevendo algo mais ou menos sem razão.

Eu sei que deveria aparecer e voltar a comentar nos blogs de todos vocês, e responder meus e-mails, e aparecer no Twitter e no Orkut  e no MSN com a frequencia de antes, e atender sempre o celular e todas essas coisas. Mas nada disso é sem razão.

Minha mãe está muito doente. Por isso eu quero pedir a todos os que acompanham esse espaço e que sentem algum carinho por mim:  reúnam todas as suas energias positivas para torcer para a minha mamãe melhorar.

O que ela tem? Nem eu nem os médicos sabemos exatamente. Ao que parece é algum tipo de inflamação que a fez enfraquecer muito, a ponto de perder quase totalmente os movimentos das pernas e dos braços, mãos e pés. Ela está internada há uma semana e amanhã fará um exame mais completo para saber o que acontece. Essa criatura linda aí do lado me faz muita falta aqui em casa e todos nós precisamos muito dela de novo por aqui.

Roacutan… alegrias

A última cartela da minha caixinha mensal de Roacutan está quase no fim. Terceiro mês de tratamento também.

Hoje recolhi os resultados dos exames de rotina, que minha médica passará a pedir a cada 2 meses. Nem os abri, estou bem confiante em relação aos resultados “normais” que devo encontrar.

Só preciso mesmo dizer: estou muito feliz e muito animada com os resultados.

O sabonete facial e os novos hidratantes para rosto e corpo têm dado bons resultados e eu não tive mais ressecamentos estranhos. Meu humor não tem se alterado muito nos últimos dias. Tenho me sentido muito bem e não desobedeci a nenhuma regra do tratamento durante o mês que passou. Mas nada pode me deixar mais feliz do que alguns comentários, como os que vou tentar reproduzir abaixo:

“Ai amiga, tua pele tá bem melhor né? Que bom” – Fê, uns 3 dias antes de eu entrar de férias.

“Meu Deus! Nessa foto nova no seu álbum dá pra ver como a sua pele tá mudada! Tá dando certo, Rakky, que bom!” – by Ísis, no MSN.

“Oooo Rakky… o que é q vc tá fazendo no seu rosto? Tá tão limpo, sem manchas, sua pele tá tão bonita…” – by Bruno, no sol pré-almoço de amigo secreto.

Sim, houveram mais comentários. Não vou lembrar de todos, mas cada um deles me deixa bem feliz. O tratamento está dando resultado, o sofrimento inicial passa e a alegria de se ver livre de espinhas é muito mais psicológica do que estética para mim, e acredito que pra muita gente.

SE eu tomar coragem, no próximo post sobre o tratamento até me arrisco a postar imagens do tipo “antes” e “depois”.