Um filme impróprio pra qualquer idade

“Eu sei que essa vida contém / cenas de perplexidade / esse filme, pensando bem / é impróprio pra qualquer idade”

Faz um tempo que me pergunto o que o poeta quis dizer quando escreveu isso e a cada vez que tento encontro uma nova resposta, diferente da anterior. Da última vez que fiz uma análise a respeito, cheguei à conclusão de que realmente não é nada fácil viver. Você tem que fazer escolhas, tomar decisões, pensar, repensar, falar, convencer, trabalhar, estudar, ser responsável… cada atividade traz consigo seus benefícios e malefícios e escolher entre uma coisa e outra dá um trabalho danado…

O filme impróprio pra qualquer idade é isso. Nós nunca vamos estar completamente preparados para aquilo que a vida nos reservou enquanto não passarmos por aquela situação. É apenas no contexto que definimos, da melhor ou da pior forma, o caminho que vamos seguir. E as consequências que esse caminho nos proporcionará também chegam depois dessa decisão, que não foi pensada pois não era conhecida. Ou seja: a vida é injusta, amigos. Mais é bonita.

Atenção: se você não sabe de que poeta eu estou falando no começo desse texto, por favor, clique aqui.

Tenho Mais Discos Que Amigos =)

Calma gentem! Não tô querendo dizer que vocês lindos amiguinhos que frequentam esse blog não tenham importância pra mim, ou que meus CDs sejam mais significativos que amizades. É que agora eu sou a mais nova colaboradora do site Tenho Mais Discos Que Amigos, um portal de música super legal, com uma galera mó experta escrevendo profissionalmente sobre o mundo da música.

O site foi criado pelo Tony Aiex e tem o objetivo de compartilhar com o mundo como é legal ouvir e consumir música, além de saber o que bandas legais estão fazendo por aí e onde estão as inovações do ramo. Ou seja: é perfeito pra mim né? uhauahua

Encontrei esse achado da internet a pouco mais de seis meses e acompanho diariamente, porque tenho um tique nervoso com música sou extremamente vidrada no mundo musical. Aí, como tava lá sem fazer nada e pans, resolvi me convidar pra colaborar e pra minha surpresa o Tony gostou das besteiras que escrevo por aí e aceitou a colaboração, fazendo essa criança aqui ficar feliz pra caramba!

Enfim, CORRÃO lá agorinha pra conferir meus textos e os dos outros colaboradores, que são fodelões também. Adiciona também o site nos seus favoritos e segue nóis no Twitter e no Facebook pra saber das novidades, beleza?

Uma carreira em construção

Acho que a pergunta mais difícil para se obter uma resposta na vida de qualquer pessoa é:

– O que você vai ser quando crescer?

Eu nunca tive uma resposta completa pra essa pergunta. Tinha horas em que eu dizia que seria dentista, em outros momentos eu dizia que seria fotógrafa, nutricionista, degustadora de cafés, professora de informática, web-designer, tradutora… nunca respondi a essa pergunta com um estufado “Jornalista”. Acho que muitas pessoas que se realizam em uma profissão nunca pensaram nela a sério. Também há outros loucos que decidem aos 5 anos de idade “Eu vou ser isso” e ponto, nada os move para outra direção. Conheço um bom exemplo e blog dele é esse aqui.

Enfim, eu acho essa coisa da escolha muito injusta. Poxa, vai lá você, entre 15 e 20 anos de idade, terminar o ensino médio e um babaca adulto te pergunta: “O que você quer ser?”. Poxa, e como é que eu vou saber? Eu gosto dessa área ou gosto dessa outra e acho que vou me dar bem. De uma forma ou de outra é uma confusão gigante na cabeça: e se não der certo? e se eu for um fracasso? e se eu tiver que começar de novo? e se der errado?

Aí, quando você finalmente escolhe, percebe que havia um monte de coisas sobre aquela profissão que você não sabia (não fazia ideia na verdade) que eram possíveis de ser fazer. Tudo isso tem um lado extremamente divertido, porque você se vê fazendo mil coisas diferentes e aprendendo muito. Mas também tem um lado complicado, porque você com certeza não pensava que teria tantos problemas…

Construir uma carreira é um pouco mais do que sonhar uma profissão que te dê condições de comprar o pão e o leite do café, ter uma cama para dormir e um espaço para sonhar. É uma forma de te fazer se sentir bem quando um novo desafio é imposto e se sentir muito mal quando alguma coisa dá errado. É um dia a dia de escolhas que você sabe que vão constar no seu currículo, e a pressão que essa informação causa em nossas cabeças. É a certeza de escolher o caminho certo mesmo que tudo te diga que talvez você pode se arrepender dessa escolha. E é mais do que isso, fazer o que você gosta, ainda que as pressões do dia a dia te façam pensar se você está ou não fazendo a coisa certa.

Você também pode gostar de ler: 

O que é que o Twitter tem?
Jornalismo: uma profissão humilhada;
Vamos comemorar como idiotas?;
Um novo durex da minha mesa.

Pedaços de Notícias

Do último fim de semana pra cá algumas coisas curiosas aconteceram. Outras legais. Todas válidas.


Algumas delas:
– Finalmente saiu a primeira edição da Revista The Wall (foto) revista on line voltada para o rock´n´roll. A matéria de capa é uma construção sobre a banda Coldplay, a que mais vendeu CD´s em 2008 e as razões para tamanho sucesso. Sim, eu assino a matéria. Recomendo que vocês cliquem imediatamente no link acima e pelo amor de Deus devorem a revista, que está inteirinha fantástica! 

– O programa Tô no Palco apresentou no último domingo a primeira edição do “Coisa de Fã”, um especial que pretendemos fazer com fãs de diversas bandas, para contar suas histórias e loucuras por seus idolos. A coisa foi tão bacana desde a idéia que eu tive que, logo de cara, apresentar a minha nada conhecida paixão por Skank. E foi maravilhoso. 

– “O Curioso Caso de Benjamin Button” é um filme que precisa ser visto. Logo vou postar uma resenha dele aqui, mas eu recomendo, é d+.

– Primeiro dia na faculdade. E começar o ano lendo Machado de Assis não é exatamente o que um jornalista programa, mas quem disse que eu preciso fazer o que um futuro jornalista programaria? Não, não li em sala. Mas farei mais visitas à biblioteca da faculdade. Depois que eu terminar, os “Contos Escolhidos” do meu amado Machado de Assis darão outra boa recomendação aqui.

Este é um post curto, mas logo tem mais.

Boa Semana a todos!

Algumas novidades…


Só pra não dizer que eu abandonei definitivamente este blog, algumas coisinhas que andaram me acontecendo e que deixam a Rakky sem tempo de postar aqui.

  1. Facul me mata: porque é que fim de semestre é sempre fim de semestre? Caramba, nunca tive tanta coisa acumulada pra fazer e tanta indisposição para elas também. Vou me virando como dá, e acho que não terei tempo pra muita coisa até o fim de ano chegar. O bom de tudo isso é que a minha pior nota até agora é 6.5, logo, eu passo fácil em quase todas as matérias só estudando direitinho para as provas, que começam já já. Enquanto isso não acontece, a Rakky vai passar o fim de semana fazendo trabalhos (de novo!) Quero fim de ano! Pelo amor de Deus!
  2. Skank, a banda da minha vida: Preciso contar essa data com milhares de detalhes por aqui e no blog dos Skankarados também. Resumindo tudo, reunimos a diretoria do Fã-Clube Skankarados (Ísis, Rakky, Rê, Lguh e Thi) com camisetas personalizadas e fomos pra grade do CitiBank Hall ver o melhor show do Skank que eu já vi na minha vida. Depois, ainda conseguimos entrar no camarim, falar com os 4 Skank´ers, tirar fotos e ter a honra de ser filmados por um Haroldo super feliz com a gente, assim como todos os outros, hiper animados por terem ganhado um novo fã-clube. Saindo do camarim encontramos os naipe metals e o Doca pra entrevistarmos, com direito a foto e tudo o mais. E tudo isso, mais uma vez, graças ao Milke, maravilhoso, nosso herói, Skankarado de origem (e nós precisamos fazer uma camiseta pra você!!!!). Dia inesquecível.
  3. Tô no Palco: A cada dia recebemos mais e mais convidados legais. Todo domingo é uma nova surpresa de interação, carisma e pró-atividade. As entrevistas têm sido o máximo e eu só tenho a agradecer a oportunidade de apresentar esse projeto lindo ao lado do Allan Albuquerque, sempre apoiando a Rakky e à galera da All Tv, simplesmente demais! Yeah! Todo domingo, eu Tô no Palco!!
  4. Trabalho: Uma super amiga minha já escreveu sobre o tempo que gasta “inutilmente” trabalhando em seu blog que aliás é uma das minhas leituras favoritas. Enfim, é bem isso que eu sinto às vezes (clica no link e lê meo!!!). Apesar de às vezes adorar meu trabalho, tem horas que me cansa! E agora é uma dessas horas. Mas vou correr de volta à ativa porque tem muita coisa pra ser resolvida até o fim do ano e eu não posso parar!

Leitores, por favor, me perdoem. A Rakky não tem sido tão presente quanto gostaria, mas esse blog não vai parar o mudar de novo de nome tá? (prometido!)

Beijãos da Rakky